fbpx

O nosso compromisso com a sustentabilidade

A ECM realiza um esforço notável para a redução da sua pegada ecológica, desenvolvendo a sua atividade de forma sustentável, de forma a contribuir para o equilíbrio entre o ambiente, a sociedade e a economia.

São várias as medidas que a ECM tem vindo a implementar para minimizar o impacte ambiental decorrente da sua atividade. De salientar, a instalação de 2.378 painéis fotovoltaicos com uma potência elétrica instalada de 780 Kw. Estes painéis, que cobrem uma área total de 5.500 m2, permitem uma redução anual de 400 toneladas de emissões de CO2. Esta instalação fornece 25% das necessidades energéticas da ECM. A sua dimensão torna-a na segunda instalação de produção de energia solar elétrica mais potente da ilha da Madeira, logo a seguir à instalada na Zona Franca no Caniçal.

Painéis Solares

Estes painéis, que cobrem uma área total de 5.500 m2, permitem uma redução anual de 400 toneladas de emissões de CO2 e fornece 25% das necessidades energéticas da ECM. A sua dimensão torna-a na segunda instalação de produção de energia solar elétrica mais potente da ilha da Madeira, logo a seguir à instalada na Zona Franca no Caniçal.

Todos os pontos de venda do canal Alimentar são pontos de devolução de vasilhame e de recuperação da caução. Em 2021 a ECM conseguiu recolher 3,5 milhões de garrafas dos supermercados, representando 43% de taxa de devolução neste canal. No Horeca a taxa de retorno é de 100%.

A ECM foi pioneira a nível nacional com a introdução no mercado de duas máquinas de recolha de garrafas de vidro reutilizáveis, em 2018, tendo atualmente oito máquinas de reverse vending instaladas no mercado. Estas máquinas só rececionam vasilhame, de referências produzidas pela ECM e são uma poupança para o consumidor. Ao devolver as garrafas de vidro vazias, o consumidor está a poupar o ambiente e a reaver o valor da caução pago no ato da compra.

Sendo o processo de reutilização das garrafas de vidro mais amigo do ambiente, do que o processo de produção de novas garrafas, este esforço e aposta na sustentabilidade traduziu-se em menos 280 toneladas de CO2 emitidas para o ambiente (por cada milhão de garrafas novas de vidro fabricadas são emitidas cerca de 80 toneladas de CO2).

Outro impacte ambiental a considerar na atividade da ECM, é a produção de resíduos decorrente principalmente dos materiais utilizadas no acondicionamento e transporte, das matérias-primas, materiais auxiliares e materiais de embalagem, até à ECM. Todos estes resíduos são entregues a operadores licenciados de gestão de resíduos, que por sua vez tratam da sua recolha e de dar o destino final mais adequado. Os resíduos recicláveis de maior peso são: plástico (PET, PEAD, PEBD), vidro e cartão.

Relativamente às embalagens colocadas no mercado, faz parte da Política da ECM, a utilização, na região, apenas de garrafas de vidro tara reutilizável. Este fator é de particular importância para o ambiente, dado que todos os resíduos recicláveis, como é o caso do vidro, são enviados para centros de reciclagem em Portugal continental, com custos acrescidos para o meio ambiente.

REUTILIZAÇÃO

Todas as garrafas de vidro engarrafadas na Região Autónoma da Madeira pela ECM são reutilizáveis, sem qualquer exceção, tanto nos canais de comercialização Horeca como no Alimentar.

Em 2006, todos os empilhadores de funcionamento a gás foram substituídos por equipamentos elétricos mais ecológicos e menos poluentes.

A recuperação do CO2, proveniente da produção de cerveja, é também uma contribuição para a proteção ambiental, cerca de 250 toneladas de CO2 por ano é recuperada e utilizada em outros processos.

Neste momento, e em fase final de conclusão, encontra-se o projeto de alteração do equipamento de produção de vapor, de modo a passar a funcionar a partir de biomassa (energia renovável) em vez do fuel. Correspondendo a uma diminuição da emissão de poluentes para a atmosfera e consequentemente a uma redução do consumo de combustíveis fósseis.

Um outro aspeto ambiental muito relevante nesta indústria são as águas residuais, resultantes dos processos de fabrico e que contêm elevada carga orgânica. A ECM possui uma ETARI com tratamento secundário, que garante o cumprimento dos limites estabelecidos para o parque empresarial onde está inserida. As lamas resultantes do tratamento são enviadas para aterro, sendo mais um compromisso da Empresa com a sociedade.

Os elevados níveis de qualidade dos produtos e serviços, a constante preocupação ambiental e a cultura de proximidade que a ECM tem com os seus clientes e consumidores, permitiram desde sempre o crescimento das suas marcas. Este sucesso só foi possível porque a Qualidade e o Ambiente sempre foram entendidos na ECM como um fator fundamental de competitividade e de diferenciação.

Relativamente às embalagens primárias, de plástico (PET), essencialmente utilizadas no canal Alimentar em águas e refrigerantes, a ECM tem vindo a reduzir o peso das garrafas e também das tampas, por forma a baixar a sua pegada ecológica.

No que diz respeito às embalagens secundárias, estas também sofreram novos desenvolvimentos para se tornarem mais sustentáveis e ecológicas. Os filmes dos packs passaram a não conter informação impressa com tintas, e as embalagens compostas por dois materiais distintos, como por exemplo, plástico e cartão, passaram a ser produzidas apenas por cartão.

Em 2013, a ECM introduziu pela primeira vez em Portugal, os copos de plástico reutilizáveis em festas, concertos, praias e outros eventos. Substituindo desta forma todos os copos de plástico de utilização única, contribuído assim para que este tipo de resíduo fosse eliminado destes eventos.